sexta-feira, 12 de agosto de 2016

A desimportância de dizer o que o outro não quer ouvir


Por Dag Vulpi

É normal do ser humano priorizar as informações que confirmem suas crenças ou hipóteses, independentemente de serem ou não verdadeiras. Como resultado, as pessoas colhem evidências e trazem informações da memória de forma seletiva, interpretando-as de maneira às vezes enviesada (tendenciosa). O efeito é mais forte no caso de assuntos que envolvem o emocional e nos casos em que se está lidando com opiniões fortemente arraigadas.

Inicialmente meu propósito seria escrever um artigo que esclarecesse de uma vez por todas essa celeuma que envolve as urnas eletrônicas e as desconfianças de fraudes que as cercam todas as vezes que terminam as apurações dos votos e os vitoriosos não foram aqueles que alguns desejavam que o fossem. Os derrotados invariavelmente colocam sob suspeita a confiabilidade das desafortunadas urnas e fazem isso sem a menor desfaçatez, pois, muitos dos agora derrotados e chorosos, não questionaram a confiabilidade daquelas quando seus escolhidos saíram-se vitoriosos em pleitos passados.   

Ao mesmo tempo em que digito, e por mais que me certifique de tratar das veras que envolvem o tema, prevejo que a essas alturas, mesmo ainda estando na apresentação do texto, alguns já estejam em desarmonia com o que assevero. Desarmonia essa que tentarei reverter, ao menos para aqueles que conferirem o texto na íntegra e com a atenção necessária. Certamente não haverá unanimidade, mas isso, muito provavelmente se justificará pela inevitável interferência dos seus vieses de confirmação.

Pensando nessas hipóteses me veio à memória duas situações que, apesar de distintas, sintetizam bem essa ideia.

A primeira lembrança que tive foi relacionada aos livros de cânticos que são entregues nas entradas das igrejas. Explico.

Quando vou à missa percebo que na entrada da igreja ficam aquelas senhorinhas entregando aqueles livretos onde, com todo o esmero elas os organizaram, certamente até se reuniram com antecedência para certificarem-se de que tudo sairá nos conformes. Pois bem, quando finalmente chega o momento para os livretos serem usados, que é quando o celebrante avisa, “abram o livro de cânticos na página tal". Naquele momento ocorre algo inusitado, ao menos para mim, pois a maioria das pessoas, por conhecerem os louvores, abre o livreto na página determinada, mas se quer lançam os olhos sobre sua letra, afinal, para quem sabe a letra o livreto faz-se desnecessário. Por outro lado, há também aqueles que não sabem a letra, que na maioria das vezes é o meu caso. Esse segundo grupo  acaba por valer-se do tal livreto, porém, apesar de acompanhar a letra, não conseguem entoá-lo em harmonia com os demais. Resumindo, todo aquele trabalhão feito com tanto carinho por aquelas senhoras acabam sendo em vão.

Outra lembrança que me remete a esse tema é a de uma passagem que vivi logo no inicio de minha carreira profissional.

Naquela ocasião eu tinha meus tenros 19 anos e havia sido contratado para trabalhar no hoje, extinto banco Nacional, banco esse que pertencia ao saudoso Jose de Magalhães Pinto. Muito bem, estando eu com apenas alguns meses de trabalho naquela instituição financeira na função de escriturário, comecei a observar algumas deficiências que, como é normal em quase toda empresa, passava despercebida por aqueles que ali trabalhavam há muito tempo, esse é um “fenômeno” normal, pois é inerente ao ser humano se adequar ao meio em que vive. Porém, como eu estava quase me formando em administração na época, e ainda não havia me adequado completamente no ambiente de trabalho, ao menos não com aquelas situações que iam ao desencontro do que aprendi na sala de aula, resolvi tentar implantar na pratica do meu trabalho o conhecimento absorvido na teoria.

Naquela manhã, assim que o sr. Lourival Lourenço, que era nosso gerente de serviços chegou, eu fui até sua sala e perguntei se ele teria alguns minutinhos para ouvir umas ideias que eu havia tido para a melhoria da nossa agência. Prontamente ele disse que sim, pediu para que a dona Cristina trouxesse dois cafezinhos e mostrando-se muito receptivo pediu para que eu falasse sobre elas. Aí eu falei que faria um breve resumo de todas as ideias que eu tinha e ele falou que estava ótimo para ele. Pois bem, falei superficialmente sobre as propostas e ele mostrou-se muito interessado, extasiado diria eu. Ao final ele levantou-se, bateu nas minhas costas e disse: “Dagmar, você é um jovem de futuro nessa instituição. Por favor, passe essas ideias para o papel que eu as levarei para o nosso gerente geral, mas de antemão posso garantir-lhe que, se não em sua totalidade, pelo menos 90% do que você sugeriu será implantado, não somente nessa, mas em todas as demais agencias Brasil afora, pois essas são deficiências generalizadas dessa instituição”.

Com o auxilio da minha inseparável olivetti cuidei de transferir para o papel todas as ideias de melhorias que eu considerava pertinentes a serem implantadas. Ao findo, somaram-se seis o número de páginas digitadas.

No outro dia fui até a sala do gerente e deixei sobre a mesa o envelope a ele endereçado. O dia foi passando e o expediente chegava ao seu fim quando ele me chamou na sua sala. Cheio de otimismo, é certo de que as minhas ideias seriam aproveitadas, entrei e fui convidado a sentar. Antecipei-me e perguntei o que ele havia achado das ideias. Ele respondeu que começou a ler, mas que seria mais produtivo caso eu fizesse um resumo das ideias. Pois bem, sai dali às pressas e fui para a faculdade chegando em casa por volta das 23:00 hs. Tomei um banho e de volta à minha velha olivetti consegui reduzir de  6 para 3 o número de páginas.  No outro dia logo cedo deixei sobre a mesa o envelope, agora com as ideias resumidas em apenas três páginas. Lá pelas tantas o Sr. Lourenço me chamou até a sua sala e lá fui eu todo animado, chegando lá ele pediu os tradicionais 2 cafezinhos para a dona Cristina, mandou que eu me sentasse e disse: “Dagmar, suas ideias são muito interessantes, mas eu preciso que você me faça um favor. Faça um novo resumo, mas coloque somente aquilo que conversamos no primeiro dia”.

Resumindo, de que valeriam minhas ideias, ou melhor, do que valeu todo o meu trabalho em chegar da faculdade depois de um dia estressante e detalhar em seis folhas colocando tim tim por tim tim cada um dos passos para a instalação de melhorias se, no fundo, nada do que eu havia dito teve alguma importância para o gerente.

E assim também acontece por aqui. Estou convicto de que pouco, ou de nada adiantaria estender esse texto teorizando sobre a eficiência e segurança das urnas eletrônicas e tentando desconstruir um pensamento já arraigado no subconsciente de alguns, se para aqueles pouco importarão as minhas justificativas, afinal, a ideia de que de fato houve fraude, mesmo que não tenha havido, é mais oportuna do que as possíveis provas que comprovem o contrario.  

Nosso cérebro procura confirmar os desejos e crenças que temos o tempo todo. Assim, descartamos tudo que não tem a ver com nossas opiniões anteriores e nos atemos a sinais que confirmam o que acreditamos.

2 comentários:

  1. É fato corriqueiro em diálogos entre pessoas com visões diferentes , que antes que aquele que expõe seus pontos de vista conclua a idéia que tenta transmitir,a outra parte já comece a formular seu contraditório mentalmente, quando não interrompe a tranmissão do interlocutor ,sem que este conclua a idéia . Então , ao invéz de um diálogo , produz -se dois monólogos opostos.

    ResponderExcluir
  2. É fato corriqueiro em diálogos entre pessoas com visões diferentes , que antes que aquele que expõe seus pontos de vista conclua a idéia que tenta transmitir,a outra parte já comece a formular seu contraditório mentalmente, quando não interrompe a tranmissão do interlocutor ,sem que este conclua a idéia . Então , ao invéz de um diálogo , produz -se dois monólogos opostos.

    ResponderExcluir

Sua visita foi muito importante. Faça um comentário que terei prazaer em responde-lo!

Abração

Dag Vulpi

Sobre o Blog

Este é um blog de ideias e notícias. Mas também de literatura, música, humor, boas histórias, bons personagens, boa comida e alguma memória. Este e um canal democrático e apartidário. Não se fundamenta em viés políticos, sejam direcionados para a Esquerda, Centro ou Direita.

Os conteúdos dos textos aqui publicados são de responsabilidade de seus autores, e nem sempre traduzem com fidelidade a forma como o autor do blog interpreta aquele tema.

Dag Vulpi

Seguir No Facebook