quinta-feira, 31 de julho de 2014

Intelectuais e raça - o estrago incorrigível

Por Thomas Sowell*

Há tantas falácias ditas sobre raça, que é difícil escolher qual é a mais ridícula.  No entanto, uma falácia que costuma se sobressair é aquela que afirma haver algo de errado com o fato de que as diferentes raças são representadas de forma numericamente desproporcional em várias instituições, carreiras ou em diferentes níveis de renda e de feitos empreendedoriais.

Cem anos atrás, o fato de pessoas de diferentes antecedentes raciais apresentarem taxas de sucesso extremamente discrepantes em termos de cultura, educação, realizações econômicas e empreendedoriais era visto como prova de que algumas raças eram geneticamente superiores a outras.

Algumas raças eram consideradas tão geneticamente inferiores, que a eugenia foi proposta como forma de reduzir sua reprodução.  O antropólogo Francis Galton chegou a exortar "a gradual extinção de uma raça inferior".

E as pessoas que diziam essas coisas não eram meros lunáticos extremistas.  Muitos deles eram Ph.D.s oriundos de várias universidades de ponta, lecionavam nas principais universidades do mundo e eram internacionalmente reputados.

Reitores da Universidade de Stanford e do MIT estavam entre os vários acadêmicos defensores de teorias sobre inferioridade racial — as quais eram aplicadas majoritariamente aos povos do Leste Europeu e do sul da Europa, uma vez que, à época, era dado como certo o fato de que os negros eram inferiores.

E este não era um assunto que dividia esquerda e direita.  Os principais proponentes de teorias sobre superioridade e inferioridade genética eram figuras icônicas da esquerda, de ambos os lados do Atlântico.

John Maynard Keynes ajudou a criar a Sociedade Eugênica de Cambridge.  Intelectuais adeptos do socialismo fabiano, como H.G. Wells e George Bernard Shaw, estavam entre os vários esquerdistas defensores da eugenia.

Foi praticamente a mesma história nos EUA.  O presidente democrata Woodrow Wilson, como vários outros progressistas da época, eram sólidos defensores de noções de superioridade e inferioridade racial.  Ele exibiu o filme O Nascimento de uma Nação, que glorificava a Ku Klux Klan, na Casa Branca, e convidou vários dignitários para a sessão.

Tais visões dominaram as primeiras duas décadas do século XX. 

Agora, avancemos para as últimas décadas do século XX.  A esquerda política desta era já havia se movido para o lado oposto do espectro das questões raciais.  No entanto, ela também considerava que as diferenças de sucesso entre grupos étnicos e raciais era algo atípico, e clamava por uma explicação única, vasta e arrebatadora.

Desta feita, em vez de os genes serem a razão predominante para as diferenças nos êxitos pessoais, o racismose tornou o motivo que explicava tudo.  Mas o dogmatismo continuava o mesmo.  Aqueles que ousassem discordar, ou até mesmo questionar o dogma predominante em ambas as eras, era tachado de "sentimentalista" no início do século XX e de "racista" na era multicultural.

Tanto os progressistas do início do século XX quanto os novos progressistas do final do século XX partiram da mesma falsa premissa — a saber, que há algo de estranho quando diferentes grupos raciais e étnicos alcançam diferentes níveis de realizações.

No entanto, o fato é que minorias raciais e étnicas sempre foram as proprietárias — ou gerentes — de mais da metade de todas as principais indústrias de vários países.  Dentre estas minorias bem-sucedidas, temos os chineses na Malásia, os libaneses na África Ocidental, os gregos no Império Otomano, os bretões na Argentina, os indianos em Fiji, os judeus na Polônia, os espanhóis no Chile — entre vários outros.

Não apenas diferentes grupos raciais e étnicos, como também nações e civilizações inteiras apresentaram níveis de realizações extremamente distintos ao longo dos séculos.  A China do século XV era muito mais avançada do que qualquer país europeu.  Com o tempo, no entanto, os europeus ultrapassaram os chineses — e não há nenhuma evidência de ter havido alterações nos genes de nenhuma destas civilizações.

Dentre os vários motivos para estes diferentes níveis de realizações está algo tão simples quanto a idade.  A média de idade na Alemanha e no Japão é de mais de 40 anos, ao passo que a média de idade no Afeganistão e no Iêmen é de menos de 20 anos.  Mesmo que as pessoas destes quatro países tivessem absolutamente o mesmo potencial intelectual, o mesmo histórico, a mesma cultura — e os países apresentassem rigorosamente as mesmas características geográficas —, o fato de que as pessoas de determinados países possuem 20 anos a mais de experiência do que as pessoas de outros países ainda seria o suficiente para fazer com que resultados econômicos e pessoais idênticos sejam virtualmente impossíveis.

Acrescente o fato de que diferentes raças se desenvolveram em diferentes arranjos geográficos, os quais apresentaram oportunidades e restrições extremamente diferenciadas ao seu desenvolvimento, e as conclusões serão as mesmas.

No entanto, a ideia de que diferentes níveis de realização são coisas atípicas — se não sinistras — tem sido repetida ad nauseam pelos mais diferenciados tipos de pessoas, desde o demagogo de esquina até as mais altas eminências do Supremo Tribunal.

Quando finalmente reconhecermos que as grandes diferenças de realizações entre as raças, nações e civilizações têm sido a regra, e não a exceção, ao longo de toda a história escrita, restará ao menos a esperança de que haja pensamentos mais racionais — e talvez até mesmo alguns esforços construtivos para ajudar todas as pessoas a progredirem.

Até mesmo um patriota britânico como Winston Churchill certa vez disse que "Devemos Londres a Roma" — um reconhecimento de que foram os conquistadores romanos que criaram a mais famosa cidade britânica, em uma época em que os antigos bretões eram incapazes de realizar esta façanha por conta própria.

Ninguém que conhecesse os iletrados e atrasados bretões daquela era poderia imaginar que algum dia os britânicos criariam um império vastamente maior do que o Império Romano — um império que abrangeria um quarto de toda a área terrestre do globo e um quarto dos seres humanos do planeta.

A história apresenta vários exemplos dramáticos de ascensão e queda de povos e nações, por uma variada gama de motivos conhecidos e desconhecidos.  Mas há um fenômeno que não possui confirmação histórica, um fenômeno que, não obstante esta ausência de exemplos práticos, é hoje presumido como sendo a norma: igualdade de realizações grupais em um dado período do tempo.

As conquistas romanas tiveram repercussões históricas por séculos após a queda do Império Romano.  Um dos vários legados da civilização romana foi o alfabeto latino, o qual gerou versões escritas dos idiomas da Europa ocidental séculos antes de os idiomas do Leste Europeu serem transformados em letras.  Esta foi uma das várias razões por que a Europa ocidental se tornou mais desenvolvida que a Europa Oriental em termos econômicos, educacionais e tecnológicos.

Enquanto isso, as façanhas de outras civilizações — tanto da China quanto do Oriente Médio — ocorreram muito antes das façanhas do Ocidente, embora a China e o Oriente Médio posteriormente viessem a perder suas vantagens.

Há tantas reviravoltas documentadas ao longo da história, que é impossível acreditar que um único fator sobrepujante seja capaz de explicar tudo, ou quase tudo, do que já aconteceu ou do que está acontecendo.  O que realmente se sabe é que raramente, para não dizer nunca, ocorreram façanhas iguais alcançadas por diferentes pessoas ao mesmo tempo.

No entanto, o que mais temos hoje são grupos de interesse e movimentos sociais apresentando estatísticas — que são solenemente repercutidas pela mídia — alegando que, dado que os números não são aproximadamente iguais para todos, isso seria uma prova de que alguém foi discriminatório com outro alguém.

Se os negros apresentam diferentes padrões ocupacionais ou diferentes padrões gerais em relação aos brancos, isso já basta para despertar grandes suspeitas entre os sociólogos — ainda que diferentes grupos de brancos sempre tenham apresentado diferentes padrões de realizações entre si.

Quando os soldados americanos da Primeira Guerra Mundial foram submetidos a exames mentais durante a Primeira Guerra Mundial, aqueles homens de ascendência alemã pontuaram mais alto do que aqueles de ascendência irlandesa, sendo que estes pontuaram mais alto do que aqueles que eram judeus.

Carl Brigham, o pioneiro do campo da psicometria, disse à época que os resultados dos exames mentais do exército tendiam a "desmentir a popular crença de que o judeu é altamente inteligente".

Uma explicação alternativa é que a maioria dos imigrantes alemães se mudou para os EUA décadas antes da maioria dos imigrantes irlandeses, os quais por sua vez se mudaram para os EUA décadas antes da maioria dos imigrantes judeus.  Alguns anos depois, Brigham viria a admitir que a maioria dos mais recentes imigrantes havia sido criada em lares onde o inglês não era a língua falada, e que suas conclusões anteriores, em suas próprias palavras, "não possuíam fundamentos".

Nessa época, os judeus já estavam pontuando acima da média nacional dos exames mentais, e não abaixo. 

Disparidades entre pessoas do mesmo grupo, em qualquer área que seja, não são obviamente uma realidade imutável.  Mas uma igualdade geral de resultados raramente já foi testemunhada em qualquer período da história — seja em termos de habilidades laborais ou em termos de taxas de alcoolismo ou em termos de quaisquer outras diferenças — entre aqueles vários grupos que hoje são ajuntados e classificados como "brancos".

Sendo assim, por que então as diferenças estatísticas entre negros e brancos produzem afirmações tão dogmáticas — e geram tantas ações judiciais e trabalhistas por discriminação — sendo que a própria história mostra que sempre foi comum que diferentes grupos seguissem diferenciados padrões ocupacionais ou de comportamento?

Um dos motivos é que ações judiciais não necessitam de nada mais do que diferenças estatísticas para produzir vereditos, ou acordos fora de tribunais, no valor de vultosas somas monetárias.  E o motivo de isso ocorrer é porque várias pessoas aceitam a infundada presunção de que há algo de estranho e sinistro quando diferentes pessoas apresentam diferentes graus de êxito pessoal.

O desejo de intelectuais de criar alguma grande teoria que seja capaz de explicar padrões complexos por meio de algum simples e solitário fator produziu várias ideias que não resistem a nenhum escrutínio, mas que não obstante têm aceitação generalizada — e, algumas vezes, consequências catastróficas — em vários países ao redor do mundo.

A teoria do determinismo genético, que predominou no início do século XX, levou a várias consequências desastrosas, desde a segregação racial até o Holocausto.  A teoria atualmente predominante é a de que algum tipo de maldade explica as diferenças nos níveis de realizações entre os vários grupos étnicos e raciais.  Se os resultados letais desta teoria hoje em voga gerariam tantas mortes quanto no Holocausto é uma pergunta cuja resposta requereria um detalhado estudo sobre a história de rompantes letais contra determinados grupos odiados por causa de seu sucesso.

Estes rompantes letais incluem a homicida violência em massa contra os judeus na Europa, os chineses no sudeste asiático, os armênios no Império Otomano, e os Ibos na Nigéria, entre outros.  Exemplos de chacinas em massa baseadas em classes sociais e voltadas contra pessoas bem-sucedidas vão desde os extermínios stalisnistas do kulaks na União Soviética até a limpeza promovida por Pol Pot de pelo menos um quarto da população do Camboja pelo crime de serem pessoas cultas e de classe média, crime este que era evidenciado por sinais tão tênues quanto o uso de óculos.

Minorias que se sobressaíram e se tornaram mais bem-sucedidas do que a população geral são aquelas cujo progresso provavelmente em nada está ligado ao fato de terem ou não discriminado as maiorias politicamente dominantes.  No entanto, foram exatamente estas minorias que atraíram as mais violentas perseguições ao longo dos séculos e dos países ao redor do mundo.

Todos os negros que foram linchados durante toda a história dos EUA não chegam ao mesmo número de homicídios cometidos em apenas um ano contra os judeus na Europa, contra os armênios no Império Otomano ou contra os chineses no sudeste asiático.

Há algo inerente aos sucessos de determinados grupos que inflama as massas em épocas e lugares tão distintos.  O que seria?  Esse fenômeno inflama não apenas as massas, como também leva a genocídios cometidos por governos, como os da Alemanha nazista ou o regime de Pol Pot no Camboja.  Podemos apenas especular as razões, mas não há como fugir desta realidade.

Aqueles grupos que ficam para trás frequentemente culpam seu atraso nas malfeitorias cometidas por aqueles grupos mais bem-sucedidos.  Dado que a santidade não é comum a nenhum ramo da raça humana, é óbvio que nunca haverá escassez de pecados a serem mencionados, inclusive a arrogância e a insolência daqueles que calham de estar no topo em um determinado momento.

Mas a real pergunta a ser feita é se esses pecados — reais ou imaginários — são de fato o motivo destes diferentes níveis de êxitos pessoais.

O problema é que os intelectuais — pessoas de quem normalmente esperaríamos análises racionais que se contrapusessem à histeria das massas — frequentemente sempre estiveram na vanguarda daqueles movimentos que promovem a inveja e o ressentimento contra os bem-sucedidos.  Tal comportamento é especialmente perceptível naquelas pessoas que possuem diplomas mas que não possuem nenhuma habilidade economicamente significativa que lhes permita obter aquele tipo de recompensa que elas esperavam ou julgavam ter o direito de auferir.

Tais pessoas sempre se destacaram como líderes e seguidoras de grupos que promoveram políticas anti-semitas na Europa entre as duas guerras mundiais, o tribalismo na África, e as mudanças sociais no Sri Lanka, um país que, outrora famoso por sua harmonia intergrupal, se rebaixou, por influência de intelectuais, à violência étnica e depois se degenerou em uma guerra civil que durou décadas e produziu indescritíveis atrocidades.

Intelectuais sempre estiveram por trás da inflamação de um grupo contra outros, promovendo a discriminação e a violência física em países tão díspares quanto Índia, Hungria, Nigéria, Tchecoslováquia e Canadá.

Tanto a teoria do determinismo genético como sendo a causa dos diferentes níveis de realizações pessoais quanto a teoria da discriminação como o motivo destas diferenças, ambas contraditórias e criadas por intelectuais, geraram apenas polarizações raciais e étnicas.  O mesmo pode ser dito da ideia de que uma dessas teorias tem de ser a verdadeira.

Essa falsa dicotomia de que uma delas tem de ser a verdadeira deixa aos grupos mais bem-sucedidos duas opções: ou eles se assumem arrogantes ou se assumem culpados criminalmente.  Da mesma forma, deixa aos grupos menos exitosos a opção entre acreditar que sempre foram inerentemente inferiores durante toda a história ou que são vítimas da inescrupulosa maldade de terceiros.

Quando inumeráveis fatores fazem com que a igualdade de resultados seja virtualmente impossível, reduzir estes fatores a uma questão de genes ou de maldade é a fórmula perfeita para se gerar uma desnecessária e perigosa polarização, cujas consequências frequentemente são escritas em sangue ao longo das páginas da história.

Dentre as várias e ignaras ideias a respeito de grupos raciais e étnicos que polarizaram as sociedades durante séculos e ao redor de todo o mundo, poucas foram mais irracionais e contraproducentes do que os atuais dogmas do multiculturalismo.

Aqueles intelectuais que imaginam que, ao utilizar uma retórica multicultural que redefine e até mesmo revoga o conceito de atraso, estarão ajudando grupos raciais e étnicos que ficaram para trás estão, na realidade, levando estas pessoas para um beco sem saída.

O multiculturalismo é um tentador paliativo aplicado àqueles grupos que ficaram para trás porque ele simplesmente afirma que todas as culturas são iguais, ou "igualmente válidas", em algum sentido vago e sublime.  De acordo com este dogma, as características culturais de todas as etnias e raças seriam apenas diferentes — nem melhores nem piores.

No entanto, tomar emprestadas características particulares de outras culturas — como os algarismos arábicos que substituíram os algarismos romanos, mesmo nas culturas ocidentais oriundas de Roma — implica que algumas características não são simplesmente diferentes, mas sim melhores, inclusive os números utilizados.

Algumas das mais avançadas culturas de toda a história pegaram emprestados comportamentos e características de outras culturas; e isso pelo simples fato de que até hoje nenhuma coleção única de seres humanos foi capaz de criar as melhores respostas para todas as questões da vida.

Todavia, dado que os multiculturalistas veem todas as culturas como sendo iguais ou "igualmente válidas", eles não veem nenhuma justificativa para as escolas insistirem, por exemplo, que as crianças negras aprendam seu idioma materno.  Em vez disso, cada grupo é estimulado a se apegar ferreamente à sua própria cultura e a se orgulhar de suas próprias glórias passadas, reais ou imaginárias.

Em outras palavras, membros de grupos minoritários que são atrasados educacionalmente e economicamente devem continuar se comportando no futuro como sempre se comportaram no passado — e, se eles não conseguirem os mesmos resultados dos outros, então a culpa é da sociedade.  Essa é a mensagem principal do multiculturalismo.

George Orwell certa vez disse que algumas ideias são tão insensatas, que somente um intelectual poderia acreditar nelas.  O multiculturalismo é uma dessas ideias. 

A intelligentsia sempre irrompe em indignação e ultrajes a qualquer "diferença" ou "disparidade" de resultados educacionais, econômicos ou outros — e denuncia qualquer explicação cultural para esta diferença de resultados como sendo uma odiosa tentativa de "culpar a vítima".

Não há dúvidas de que algumas raças ou até mesmo nações inteiras foram vitimadas por terceiros, assim como não há dúvida de que câncer pode causar morte.  Porém, isso é muito diferente de dizer que as mortes podem automaticamente ser imputadas ao câncer.  Você pode pensar que intelectuais seriam capazes de fazer essa distinção.  Mas muitos não são.

Ainda assim, intelectuais se veem a si próprios como amigos, aliados e defensores das minorias raciais, ao mesmo tempo em que empurram as minorias para a estagnação cultural.  Isso permite à intelligentsia se congratular e se lisonjear de que estão ao lado dos anjos contra as forças do mal que estão conspirando para manter as minorias oprimidas.

Por que pessoas com altos níveis de capacidade mental e de talentos retóricos se entregam a este tipo de raciocínio deturpado é um mistério.  Talvez seja porque elas não conseguem abrir mão de uma visão social que é extremamente lisonjeira para eles próprios, não obstante quão deletéria tal visão possa ser para as pessoas a quem elas alegam estar ajudando.

O multiculturalismo, assim como o sistema de castas, encurrala e amarra as pessoas naquele mesmo segmento cultural e social no qual elas nasceram.  A diferença é que o sistema de castas ao menos não alega beneficiar aqueles que estão na extremidade inferior.

O multiculturalismo não serve apenas aos interesses ególatras dos intelectuais; ele serve também aos interesses de políticos que têm todos os incentivos para promover uma sensação de vitimização — e até mesmo de paranóia — entre grupos de cujos votos eles precisam em troca de apoio material e psicológico.

A visão multicultural do mundo também serve aos interesses daqueles que estão na mídia e que prosperam ao explorar os melodramas morais.  O mesmo pode ser dito de todos os departamentos universitários voltados para estudos étnicos e sociais, bem como de toda a indústria de assistentes sociais, de especialistas em "diversidades" e da ampla gama de vigaristas que prosperam ao fazer proselitismo racial.

Os maiores perdedores de toda essa história são aqueles membros das minorias raciais que se permitem ser conduzidos para esse beco sem saída do ressentimento e da raiva, mesmo quando há várias outras avenidas de oportunidades disponíveis.  E todos nós perdemos quando a sociedade fica polarizada.








*Thomas Sowell , um dos mais influentes economistas americanos, é membro sênior da Hoover Institution da Universidade de Stanford.  Seu website: www.tsowell.com.

23 comentários:

  1. Gostei uma lógica diferente, um raciocínio interessante que nunca pensei antes.

    ResponderExcluir
  2. Como é prazeroso ler um texto fluído e consequente com os fatos que vem ocorrendo ao longo da história. Thomas Sowell é um dos melhores articulistas/escritores da atualidade. Junto com Theodore Dalrymple. Excelentes! Um negro americano e outro branco britânico. Mas quem precisa saber a cor deles quando estamos lendo? Escrevem bem pra dedéu...me basta.

    ResponderExcluir
  3. Acho que qdo tivermos inicialmente, oportunidades iguais a todos, claramente a competição será mais justa. Daí em diante, contaremos com talentos próprios e esforços pessoais. Só sobrará a inveja😈 essa faz parte da mesquinhez da alma humana.

    ResponderExcluir
  4. Surge um pensamento racional.
    Enfim racionalidade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá prá ser mais suscinto e dizer dizer em poucas e simples palavras o quê vc tirou do texto

      Excluir
  5. Eu achei meio conservador,ao dizer mal dos intelectuais que tomam partido de grupos étnicos em estado,momentâneo de inferioridade,como se isso fosse errado,como as cotas e as ações de assistentes sociais.Mas seria fácil acabar com esse argumento todo,dizendo que o caso brasileiro com sua dívida impagável aos negros explorados,escravizados,mal tratados,torturados,animalizados pelos brancos europeus e logicamente roubados de seus sallarios por 400 anos,que com juros e multas seriam impagáveis com simples cotas e dinheiro.Mas o texto traz uma novidade ao dizer que a Inglaterra nada seria sem o domínio romano,isto quer dizer que o autor arrumou uma boa desculpa para roubos e maus tratos,se as vítimas são inferiores elas tiveram uma oportunidade de crescer com a aproximação dos invasores larápios que os presenteou com a civilização mais avançada.....bela retórica .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que esse é apenas um ponto do texto,talvez o mais importante,somente compreendo se ler tres vezes e sublinhar e resumir

      Excluir
  6. Se o multiculturalismo é um mal, imaginem o uniculturalismo. Quem é o dono da razão? O etnocentrismo só causou extermínios no mundo, vejamos: Astecas, Iscas, Maias, nossos índios e etc. Devemos ter cuidados até com intelectuais que são contra intelectuais

    ResponderExcluir
  7. Fui longe mas enjoei. É muita erudição com zero de filosofia. Quanta deformação, um verdadeiro artista em tomar fatos históricos e a partir deles concluir asneiras. Tanto que chega a negar a intelectualidade ue, parece, cultiva.
    Sobre HGWells, Britânico citado no artigo, este escreveu sobre o ocorrido com a psicologia social alemã, em seu celebríssimo História Universal, sua obra prima:
    ***
    "História Universal, HG Wells, vol IX.

    Capítulo XXXVIII – A catástrofe do imperialismo moderno
    2) A Alemanha imperial:

    (...)Neste nosso tempo de responsabilização da Alemanha, poderá auxiliar o leitor britânico a uma atitude equilibrada recordar-lhe o progresso educativo pelo qual seu país tem de agradecer, primeiro ao Príncipe Consorte alemão e, depois, à competição alemã. A mesquinha inveja da classe dominante britânica, que nenhum orgulho patriótico nem impulso generoso conseguiu vencer e que impediria a educação do homem comum na Inglaterra, foi destruída ante o crescente temor da eficiência germânica.

    Com efeito, a Alemanha entregara-se à organização da pesquisa científica e à aplicação do método científico ao desenvolvimento industrial e social com fé e energia que, jamais, em tamanho grau, demonstrara antes qualquer comunidade.Durante todo este período de paz armada esteve ela colhendo e semeando de novo e colhendo ainda safras, as infalíveis safras do saber disseminado.

    Desenvolveu-se rapidamente até tornar-se uma potência manufatureira e comercial; sua produção de aço sobrepujou a britânica; em uma centena de novos campos de produção e comércio, em que a inteligência eram de maior importância
    que a ladinice e tinos comerciais, na manufatura de lentes e vidros ópticos, de tintas e de uma infinidade de produtos e em processos novos sem fim, ela conduzia o mundo.Ao industrial britânico, acostumado a ver as invenções baterem à porta de suas fábricas- não sabia ele nem de onde nem porque – rogando e pedindo para serem adotadas, esse novo método germânico de manter e pagar homens de ciência parecia abominavelmente desleal. Era ganhar na certa, pensava ele. Era trapacear com as cartas. Era encorajar uma indecente classe de intelectuais a interferir nos negócios de sólidos homens de comércio. A ciência deixou sua primeira pátria, fugindo para estrangeiro, como um filho desprezado. A esplêndida industria química da Alemanha organizou-se tendo por base a obra e os trabalhos de Sir William Perkin, que não conseguiu encontrar, na Inglaterra, nenhum “prático” homem de negócios que o quisesse apoiar.

    E a Alemanha liderou também o mundo em muitos aspectos de legislação social. A Alemanha compreendeu que a classe trabalhadora é um dos valores nacionais, que se corrompe com o desemprego e que, para o bem comum, deve ser objeto de cuidado dentro e fora das fábricas. O empregador britânico estava ainda sob a ilusão de que a classe trabalhadora não existia fora de seu trabalho nas fábricas, e quanto pior fosse sua existência exterior, tanto melhor de algum modo seria pra ele. Além disso, devido a incultura geral, era um individualista extremado, possuia o sentimento insensato de rivalidade que caracteriza a mentalidade vulgar; Odiava seus colegas industriais tanto quanto odiava seus operários e os seus fregueses, os produtores germânicos, pelo contrário, estavam convencidos das grandes vantagens da combinação e da civilidade; As suas iniciativas tendiam a se congregar e assumir, cada vez mais, o caráter de empreendimentos nacionais.


    Segue.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa Alemanha devotada a educação, a Ciência e a organização era o desenvolvimento natural da Alemanha liberal de 1848; As suas raízes profundas vinham do esforço reconstrutor que retirou o seu ímpeto da humilhação pela conquista napoleônica. Tudo que era bom, tudo que era grande nessa Germânia moderna, ela o devia, com efeito, aos seus mestre escola. Mas tal espírito científico de organização era apenas um dos dois fatores que criaram o novo Império Germânico. O outro fator era a monarquia
      Hohaenzollern, que sobrevivera a Iena, que burlala e se aproveitara da revolução de 1848, e que, sob a direção de Bismarck, trepar agora até a supremacia e chefia legal de toda Alemanha inclusive Áustria. Tirante o reino do Tzar nenhum outro estado europeu havia preservado, com tanta eficiência a tradição da grande monarquia do seculo XVIII, quanto o prussiano.

      Apoiado na tradição de Frederico, o grande Maquiavel reinava agora na Alemanha. No governo deste novo e esplêndido estado moderno não se encontrava, um esplêndido cérebro moderno, capaz de guia-lo até a supremacia mundial, ao serviço do mundo e da humanidade, mas uma velha aranha sequiosa de poder. Na Europa ocidental, Alemanha prussianizada era, simultaneamente a mais nova e a mais antiquada das coisas.

      Era o melhor e o mais perverso estado do seu tempo. A psicologia das nações não passa ainda de uma ciência rudimentar. Os psicólogos apenas começaram agora a estudar o aspecto cívico do homem individual. Mas é de extrema importância que o estudioso de história universal de alguma
      atenção ao desenvolvimento mental das gerações alemãs, formadas depois da vitória de 1871. Era natural que se achassem exaltadas pelas vitórias completas e esmagadoras obtidas na guerra e pelo progresso que lhes permitira passar de um estado de relativa pobreza para a riqueza. Teriam sido mais que humanas se, depois disto, não se dessem algum excesso de vaidade patriótica. Mas tomou-se deliberadamente essa reação natural e por intermedio de uma sistematica exploração e controle das escolas e dos colégios, conseguiu-se promove-la e desenvolve-la da dinastia Hohenzollern.(...)

      segue

      Excluir
    2. Continuando:
      ***
      (...)O mestre, o professor, que não ensinasse e pregasse com oportunidade e fora de oportunidade a superioridade racial, moral, intelectual e física dos germanos sobre todos os outros povos, a sua extraordinária devoção a guerra e a sua dinastia e o seu inevitável destino a direção do mundo, sob a égide dessa dinastia, era homem marcado, fadado ao desastre e à obscuridade. O ensino de historia na Alemanha, transformou-se em uma imensa falsificação sistemática do passado humano, no interesse do futuro dos Hohenzollerns. Todas as demais nações eram apresentadas como incompetentes ou decadentes; Os prussianos eram os condutores e regeneradores da humanidade.

      O jovem alemão lia isso em seus livros escolares, ouvia isso na igreja encontrava isso na literatura e o seu professor com apaixonada convicção o embebia e impregnava dessa doutrina.

      Derramavam-na sobre ele todos os professores; Lentes de biologia ou de matemática abandonavam a sua matéria para se entregar a longas tiradas de declamação patriótica. Só espíritos de extraordinária fortaleza e originalidade poderiam resistir a semelhante torrente de sugestão. Insensivelmente se foi construindo, no espírito alemão, a concepção de uma Alemanha e seu imperador semelhantes a algo de esplêndido e supremo, algo de superior a tudo que jamais existira, uma nação divina, revestida de uma “armadura resplandescente” e brandindo a “boa espada germânica” em um mundo de povos inferiores- de más inclinações.

      Contamos a historia da Europa; O leitor poderá julgar se o brilho da espada alemã foi assim tão cegante. Mas, a germania estava sendo intencionalmente intoxicada, estava sendo mantida em um estado sistemático de embriaguez, com tal espécie retórica patriótica. O MAIOR CRIME DOS HOHENZOLLERN FOI O DE CORRAMPER CONSTANTE E PERSISTENTEMENTE, A
      EDUCAÇÃO E PARTICULARMENTE O ENSINO DA HISTÓRIA. NENHUM OUTRO ESTADO MODERNO PECOU TANTO CONTRA EDUCAÇÃO. A oligarquia da república coroada da Grã Bretanha fez da educação algo dineficiente e de faminto, MAS A MONARQUIA HOHENZOLLERN CORROMPEU-A E PROSTITUI-A.

      Jamais se poderá afirmar com suficiente insistência que o fato mais importante na história do ultimo meio-século foi o de ter sido o povo alemão metódica e sistematicamente doutrinado na ideia de uma predominância mundial germânica baseada na força e na teoria de que a guerra era, na vida humana, coisa inevitável e necessária. O eixo do ensino germânico da história encontra-se na afirmação do conde Moltke: “A paz perpétua é um sonho e nem sequer um belo sonho. A guerra é, no mundo, um elemento da ordem pré-estabelecida por Deus. Sem a guerra, o mundo se estagnaria e se perderia no materialismo”, e o filósofo Nietzsche mostrou-se inteiramente de acordo com o piedoso marechal.

      segue

      Excluir
    3. continuando...
      “É simples ilusão e puro sentimentalismo”, diz ele, “Esperar muito (se é que se pode esperar alguma coisa) da humanidade se ela esquecer a guerra. Por enquanto meio algum se conhece que ponha tanta coisa em ação quanto uma grande guerra: A rude nascida do campo de batalha, o profundo impersonalismo do ódio, a consciência do assassino e do sangue frio, o fervor nascido do esforço pela aniquilação do inimigo, a orgulhosa indiferença pelas perdas, pela própria existência, pela dos seus irmãos, o sacudir de alma que só um terremoto provocaria é de que precisa um povo quando está perdendo a sua atividade.” Tal espécie de ensino, que impregnava o Império Germânico em toda a sua extensão, não poderia deixar de ser notada no estrangeiro, nem poderia deixar de alarmar cada uma das potências e povos do mundo, nem poderia deixar de provocar uma confederação antigermânica; e aquela pregação se fazia ainda acompanhar de uma parada de preparação militar e naval, que ameaçava, simultaneamente, a França, a Rússia e a Grâ-Bretanha. O pensamento, os costumes e a moral do povo alemão, tudo sofreu a deformação da doutrinação desvairada.

      Depois de 1871, o alemão no estrangeiro empinou o peito e levantou a voz. Até nas operações de comércio pôs um tom de insolência e insulto. As suas máquinas entravam nos mercados dos mundo, os seus navios eram lançados ao mar, com uma nota ruidosa de desafio patriótico. Os seus próprios méritos, ele os usava como meios de ofensa e injúria. (E, provavelmente, a grande maioria dos demais povos, se tivesse tido as mesmas experiências e sofrido o mesmo treino se teria conduzido do mesmo modo)."
      ***
      Parece que Sir HGWells não era xenofóbico, racista nem anticientista como o erudito autor do artigo...

      Excluir
  8. Não houve o comércio de escravos com bolsa de valores.
    Não houve quase 4 séculos de exploração uma etnia no Brasil Não houve a Lei das Terras, de 1850, dando propriedade a quem tivesse posse de terras, no Brasil. Não houve distribuição de lotes a imigrantes europeus e neca paus de lotes prá negrada que por, como referido, por quase 4 séculos foi o motor da economia, a força de trabalho produtiva no Brasil.

    Não. Nada disso houve.

    Estou sonhando...,

    ResponderExcluir
  9. Non sou filósofo, mas, sempre observei os polêmicos racistas. Eles na verdade não são 100% africanos, sempre tem sangue de brancos e índios. São eles a favor de Leis de cotas e etc... "São eles os racistas que, se acham superiores aos seus irmãos mestiços. Acham que é o dinheiro, ou poder que distingue o moral e o caráter do cidadão! somos um pais de mestiços, non podemos em pleno século XXI, non podemos mais aceitar descriminação racial, ou desigualdade social. Aliás, a desigualdade social é pior que o racismo! Agora vou provar o que digo: entre em um escritório de um desses doutores negros que, vc vai encontrar uma secretária negra dos cabelos de picos? Claro que vc vai encontrar uma loira... poderá encontrar uma secretária negra de cabelos de picos em escritório de um alemão ou italiano. São dois pesos e duas balanças... NA VERDADE ESTAMOS MUITO AEM DA VERDADE!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos muito além da verdade! Mandela sim sofreu racismo e terrorismo, desigualdade social... Mas, infelizmente quem está sofrendo o efeito do racismo, é a família brasileira e a classe média e a trabalhadora. A agricultura no geral e todas crianças e jovens, sem uma educação adequada para um futuro melhor. Somos todos operários aos olhos de DEUS. RACISMO JAMAIS! QUEM É A FAVOR DE LEIS DE COTAS ETC, É CONTRA OS PLANOS DE JESUS! "EU QUERO MISERICÓRDIA, E NÃO SACRIFÍCIO. EM VERDADE, NON VIM CHAMAR OS JUSTOS, MAS, SIM, OS PECADORES"! S.Mateus 9, 12.

      Excluir
  10. Quando a doutrinação ideológica e religiosa se encontram, nasce o verdadeiro fanático! A mensagem de Cristo é a base do cristianismo e da crença e fé que são a base da religião, não da sociologia. Misturar as bolas para justificar o discurso lacunar e legitimar a naturalização da desigualdade alicerçada na etnia, fingindo que não houve escravidão e que a acumulação primitiva não opera na realidade social até hoje e que as cotas mitigam essa injustiça é uma homenagem à injustiça!

    ResponderExcluir
  11. Primeiro, não existem raças. Segundo, diferenças de desepenho entre etnias diferentes, atualmente, devem-se mais a fatores culturais. Cito sempre aquele grande filme , Gran Torino, do Eastwood. Uma etinia de montanheses vietnamitas, depois da libertação do país, se refugiou nos EUA. As mulheres estudaram e ascenderam, os homens foram, em grande número, para gangs. A discriminação teve um papel muito grande no século passado, coibindo a ascensão social de negros e mulatos em vários países. Hoje em dia, os fatores mais atuantes são outros.

    ResponderExcluir
  12. O que dizer então dos zoológicos humanos?

    ResponderExcluir
  13. O Livro dos Espíritos de Alan Kardec pergunta seriamente se os negros têm alma. Esse tipo de pensamento contaminou o século XIX e boa parte do século XX. Eu penso que temos que enterrar de vez esse conceito de raça. Temos uma espécie humana e temos etnias, que é um conceito geográfico e histórico e não biológico, ja´que do ponto de vista biológico somos todos homo sapiens (e mulher sapiens, segundo a insistenta).

    ResponderExcluir
  14. No meu entendimento, ele está pondo em xeque as tais reparações históricas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O eixo do artigo é contra um multiculturalismo politicamente correto que atribui toda desigualdade objetiva a algum tipo de discriminação e que é contra o conceito de atraso em relação às realizações humanas. No nosso caso, no Brasil, nós temos um país miscigenado, onde o conceito de raça nunca poderia ser uma base para uma politica de reparação histórica. Não há como eu pagar pelo que um bisavô meu fez com outro bisavó meu.Somos na maioria pardos, descendentes de europeus, negros e indios. E isso é muito bom.

      Excluir
  15. Dagmar, me desculpa mas eu jamais esperaria um economista americano negro e de direita dizer que a pauta do racismo e direitos das minorias sempre tiveram na agenda das pessoas com uma visão humanitária de esquerda...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele foi bastante abrangente Ana Arigoni, não se limitou a apontar culpados, seja de esquerda ou direita. Mostrou profundo conhecimento e imparcialidade.

      Excluir

Sua visita foi muito importante. Faça um comentário que terei prazaer em responde-lo!

Abração

Dag Vulpi

Seja Bem-Vindo

Sobre o Blog

Este é um blog de ideias e notícias. Mas também de literatura, música, humor, boas histórias, bons personagens, boa comida e alguma memória. Este e um canal democrático e apartidário. Não se fundamenta em viés políticos, sejam direcionados para a Esquerda, Centro ou Direita.

Os conteúdos dos textos aqui publicados são de responsabilidade de seus autores, e nem sempre traduzem com fidelidade a forma como o autor do blog interpreta aquele tema.

Dag Vulpi

Paulo Freire

Paulo Freire
Para analisar

BLOG MIN

BLOG MIN
Porque todos temos uma opinião, seja construtiva, destrutiva, cientifica, acéfala, perversa, parva, demolidora ou simplesmente uma opinião...

Mensagem do Autor

Ocorreu um erro neste gadget

Seguir No Facebook