segunda-feira, 17 de abril de 2017

No Brasil demorou, mas o Almagesto não resistiu ao Heliocentrismo


Por Dag Vulpi 17/04/2017

Estava eu revendo alguns rabiscos que tracei nos últimos anos, quando me chamou a atenção um determinado parágrafo que colo abaixo.

//... Para Ptolomeu, o grande astrônomo egípcio, a terra era o centro do universo e essa verdade arrastou-se por séculos, até que 1.340 anos depois, apesar da imensa resistência e perseguição, Copérnico criou uma mudança naquele paradigma ao colocar o sol no centro. E foi a partir daquela mudança de percepção que tudo o que antes se acreditava ser a verdade absoluta, passou a ser interpretado de modo bem diferente...//

Este parágrafo foi tirado de uma postagem onde eu sugeria que talvez a mais importante noção a ser aprendida com a demonstração da percepção, esteja na área de mudança no paradigma, àquilo que poderíamos chamar de experiência do tipo Ah-ah! - onde uma pessoa finalmente "vê" o desenho inteiro de outro modo. 

Por uma razão lógica, ao menos para mim, o conteúdo daquele paragrafo me despertou uma visão análoga aos últimos acontecimentos políticos pelos quais passa o nosso país. E eu convido o amigo leitor a me acompanhar nessa analogia. Garantindo-lhe que chegando ao ponto derradeiro desse texto restarão apenas duas possibilidades, ou estaremos de acordo e nesse caso nossas expectativas convergirão para um único ponto ou, o máximo que poderá acontecer é de as nossas opiniões serem diversas. Nesse caso posso garantir-lhe que, caso seja do seu interesse, poderemos estende-lo para o espaço democrático dos comentários, o que por certo renderá um bom debate.

Muito bem, para alinharmos nossas percepções sobre a proposta e chegarmos, ou não, a um ponto de convergência, detalharei, esforçando-me para não me estender além do necessário, nas minucias que sedimentaram as minhas considerações desta analogia.

É de conhecimento de todos aqueles que tenham acesso às informações, ainda que aquelas sejam na maioria das vezes tendenciosas e enviesadas, que o Brasil está passando por momento onde a idoneidade de seus três Poderes está sendo colocado em cheque.

Enfim levantou-se o tapete da moralidade deixando a amostra uma montanha de sujeira que segundo o empresário Emílio Odebrecht em seu depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), como parte do acordo de delação premiada, foi acumulada durante os últimos trinta anos. O empresário ex-presidente executivo e atual presidente do conselho de administração da empreiteira Odebrecht, disse que o esquema descoberto pela Operação Lava Jato ocorre há mais de 30 anos na relação da construtora com a classe política. Corroborando com a afirmativa do ex-presidente, está a fala do empresário Marcelo Odebrecht que, num dos seus depoimentos gravados pela força-tarefa de investigadores da Operação Lava Jato e divulgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), afirma que está mentindo o político que disser não ter recebido valores não contabilizados em campanhas eleitorais. "Político que disser que não recebeu caixa 2 está mentindo", diz Odebrecht.

Dessarte, podemos ir ao ponto onde sugeri que haveria espaço para uma analogia.

Iniciemos por Cláudio Ptolemeu, ele foi um respeitável cientista grego que viveu em Alexandria entre os anos 90 e 160 (há controvérsias quanto à exatidão dessas datas). Ele é reconhecido por seus trabalhos em matemática, astrologia, astronomia e geografia. Realizou também trabalhos importantes em óptica e teoria musical. Na época de Ptolomeu os estudos tendiam a mesclar ciência e misticismo.

A astrologia ocupava-se dos estudos da localização e movimento dos corpos celestes, mas também da associação da localização dos mesmos com a adivinhação. Por essa razão, séculos mais tarde, houve a necessidade de separar o componente científico da mística e criou-se o termo "astronomia" para referir o estudo apenas do componente científico. A sua obra mais conhecida é o Almagesto, que significa "O grande tratado", um tratado de astronomia. Nela está descrito todo o conhecimento astronômico babilônico e grego e nela se basearam as astronomias árabes, indianas e europeias até o aparecimento da teoria heliocêntrica de Copernico. No Almagesto, Ptolomeu apresenta um sistema cosmológico geocêntrico, isto é, a Terra está no centro do universo e os outros corpos celestes, planetas e estrelas, descrevem órbitas ao seu redor. Estas órbitas eram relativamente complicadas resultando de um sistema de epiciclos, ou seja, círculos com centro em outros círculos. Ptolomeu foi considerado o primeiro "cientista celeste".

Passemos agora para Nicolau Copérnico (1473 a 1543). Ele foi um astrônomo e matemático, polonês, foi também cónego da Igreja Católica, governador e administrador, jurista, astrônomo e médico. Na época de Copérnico os estudos não mesclavam ciência e misticismo. Foi ele que desenvolveu a teoria heliocêntrica do sistema solar. Na sua teoria o sol ficou como o centro do sistema, contrariando a então vigente teoria Geocêntrica de Ptolomeu (que considerava a terra como o centro), é considerada como uma das mais importantes hipóteses científicas de todos os tempos, tendo constituído o ponto de partida da astronomia.

Muito bem, considerando a complexidade da corrupção que está instalada no Brasil, exemplifiquei, valendo-me de uma argumentação radicalmente sintetizada, os depoimentos de dois presidentes, o atual e o do seu antecessor, da principal empresa envolvida no esquema político/empresa/corrupção.

A analogia que faço e compartilho com o amigo leitor, orbita em torno da afirmativa de Ptolemeu, onde, mesclando ciência com adivinhação e misticismo, criou o Almagesto. Conseguindo com isso sustentar por quase um milênio e meio sua teoria que foi passada e endossada por cientistas, astrônomos, matemáticos, místicos e adivinhos por várias gerações, até que finalmente, 1473 anos depois, a verdade enfim se fez presente. Coube a Copérnico desenvolver a teoria do Heliocentrismo. Uma teoria embasada por estudos científicos e não por adivinhações.

Assim como ha quase dois mil anos o “grande tratado" de Ptolomeu enganou muitos durante muito tempo, aqui no Brasil, criou-se um “grande tratado moderno" que foi compactuado entre uma Justiça caolha, mesquinha e pessimamente representada em conluio com uma mídia igualmente mesquinha, seletiva, descompromissada com a verdade e representada por pseudojornalistas e uma corja de políticos corruptos. Juntos, essas três entidades conseguiram conscientemente enganar muitos brasileiros durante muito tempo, vendendo a ideia de que a corrupção no Brasil estaria a cargo de um único partido e de alguns políticos a aquele filiados.

Apesar de o “Almagesto moderno” ter provocado estragos irreparáveis, como no caso do impeachment da presidente Dilma, felizmente a verdade não ficou oculta por mais de mil e quatrocentos anos. O nosso Heliocentrismo moderno veio para desnudar a falácia dessa mídia venal com seus jornalistas de moral rasa e ódio abundante que salivaram sua baba gosmenta e fétida por décadas, conseguindo, assim como Ptolemeu, enganar muitos por bastante tempo.


Agora, depois que finalmente o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou abertura de inquéritos para investigar políticos citados nas delações da Odebrecht eu finalmente posso dizer: 

Ah-ah! Pois sei que muitos estão finalmente "vendo" o desenho inteiro de outro modo.

4 comentários:

  1. Amigo dagmar, no caso do Almagesto de Ptolomeu , seria mais apropriado dizer-se que havia um engano pois não havia a intenção de iludir ou confundir , o que não se pode dizer desta impensa alugada aos interesses do grande capital.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Márcio Peixoto.

      Agradeço sua visita ao blog e sua participação neste espaço democrático.

      De fato há diferença entre as intenções do Ptolomeu e da nossa mídia. Mas confesso que ao reler uma postagem que fiz em 2012, onde eu tratava da mudança de paradigmas, acabei por associar o fato de tantos terem sido enganados por tanto tempo com o "grande tratado" do Ptolomeu ao atual momento, onde, muitos também foram e ainda estão sendo enganados.

      Reitero que sua observação é oportuna.

      Abraço

      Excluir
  2. Adorei o artigo. Direto ao ponto. Sou muito cético no que concerne a notícias e informações. Aprendi a desconfiar de todas, visto que muitas tendem a manipular opiniões. Até no campo religioso, tenho minhas dúvidas. A bíblia, por exemplo. Politicamente falando, aí piora, todo cuidado é pouco. Tenho viés de esquerda e sempre fui simpatizante de ações voltadas para o social.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia. Márcio Peixoto releva, destaca, pontua fato importante​: em Ptolomeu, não há intencionalidade de iludur. Há, sim, metodologia, descoberta, mescla de ciência com misticismo, enfim, se há intencionalidade, é-o por parte da imprensa da época, a igreja. E esta não temia a verdade, mas como se a ela chegou, ou seja, o perigo não é o novo paradigma, mas sim como a história poderá passar a ser contada. A igreja não temia o heliocentrismo em si, mas sim a possibilidade de o homem começar​ a especular, pensar fora da caixa. Tem sido assim desde que os primatas bípedes notaram que havia como persistir Informações, contar histórias.
    Abraços.

    ResponderExcluir

Sua visita foi muito importante. Faça um comentário que terei prazaer em responde-lo!

Abração

Dag Vulpi

Sobre o Blog

Este é um blog de ideias e notícias. Mas também de literatura, música, humor, boas histórias, bons personagens, boa comida e alguma memória. Este e um canal democrático e apartidário. Não se fundamenta em viés políticos, sejam direcionados para a Esquerda, Centro ou Direita.

Os conteúdos dos textos aqui publicados são de responsabilidade de seus autores, e nem sempre traduzem com fidelidade a forma como o autor do blog interpreta aquele tema.

Dag Vulpi

Seguir No Facebook