sábado, 11 de janeiro de 2014

Pelotão de ataque contra a taroíra


Por Dag Vulpi
Contei na crônica anterior a minha saga de ter disputado o ultimo duelo com D’Jango (confira aqui), e nela recordei-me de como era farta a quantidade de personagens atípicos e instigantes naquele recém-criado bairro da cidade de Vila Velha nos idos dos anos 70. Prosseguindo na tentativa de “desenterrar” alguns daqueles personagens, hoje recupero mais um, e a bola da vez é a nada social Maria Taruira.

Taruira era uma senhora esquisitona e solitária, morava sozinha num pequeno barraco escondido no meio do matagal do morro do bairro Soteco. Magra ao extremo, sempre descabelada e suja, vestia-se e alimentava-se com o pouco que vez ou outra era deixado à sua porta por alguma alma que se sensibilizava com a situação da infeliz. Não era grata, longe disso, gratidão era uma das muitas palavras que não faziam parte do seu restrito e particular dicionário. As senhoras que levavam roupas e alimentos precisavam ser discretas, deixar as sacolas nas imediações do barraco e não ficar muito tempo por ali, pois corriam o risco de receber como paga uma lata de urina bem no meio da fuça. Isso mesmo, a infeliz guardava seus excrementos dentro duma lata, e aquela era sua arma de defesa, mesmo quando defender-se não se fazia necessário.

Antissocial além do extremo ela detestava quando alguém se aproximava do seu bangalô, o desavisado que passasse ali por perto era de imediato rechaçado, primeiro ela sambava o conteúdo da bendita lata, e logo na sequencia o infeliz ouviria um grande e seleto repertório de palavrões, e todo azar de praguices, seu improviso para descompor seu semelhante era certeiro sem igual. Não foram raras às vezes em que senhoras preocupadas com a tal, retornaram chorosas pelo destrato que receberam da desinfeliz.

Deixa estar que parte da rabugice da infeliz era injustificada, já outra nem tanto, pois ela sofria com a molecada das redondezas, a maioria dos meninos tinha pavor da velhota, porém quando reunidos era ela que cortava um dobrado com a molecada.

Ainda recordo-me dos preparativos que fazíamos na tarde em que antecedia o dia que tirávamos para azucrina-la. Cada um deveria levar o estilingue e um embornal cheio de pelotas que recolhíamos próximos aos trilhos da estrada férrea de São Torquato, onde passavam os vagões com minério vindos de MG com destino ao porto de tubarão para a recentemente inaugurada Vale do Rio Doce, o Terminal de Tubarão iniciou suas operações em 1962 pela então Companhia Vale do Rio Doce, através de um projeto pioneiro idealizado por Eliezer Batista.

Normalmente aos sábados, e o local da reunião era na minha casa que ficava estrategicamente no pé do morro que seria o alvo de nosso ataque, havia dias que somávamos mais de quinze moleques, e dali subíamos com a desculpa de que iríamos caçar passarinho. Naquela época ainda não tínhamos consciência do politicamente correto, e matar rolinha com estilingue era um comportamento normal da gurizada. Pois bem, subíamos o morro e ficávamos escondidos nas moitas, de forma a ter um bom ângulo para o ataque, não tínhamos como alvo a pobre da Taroira, mas sim seu barraco, que era de madeira, porém tinha o teto e uma das laterais revestida por zinco, e este detalhe transformava o barulho de uma simples bolinha de minério num barulho ensurdecedor, imaginemos então dezenas dessas pelotas chocando-se contra o zinco ao mesmo tempo. E era tudo muito bem planejado, disparávamos uma saraivada de pelotas direto no telhado e na lateral de zinco e nos escondíamos todos ao mesmo tempo, recarregávamos nossos estilingues e sapecávamos outra rajada de pelotas. A esta altura a pobre infeliz já estava quase louca, saia de dentro do barraco com os olhos esbugalhados e com sua costumeira cabeleira desarrumada, xingando a tudo e a todos, e nós saíamos em disparada morro abaixo, felizes da vida e com um gostoso sentimento de realização pessoal e coletiva, afinal era naquele momento que tínhamos a impressão de estar devolvendo com juros todo o pânico que ela nos causava quando nos surpreendia solitários nas ruas do bairro. E a carreira morro abaixo só teria fim quando cada um de nós estivesse na segurança de nossas casas.

Hoje essas recordações chegam acompanhadas de certo arrependimento, mas na época era muito prazeroso. Lembro que mais tarde nos reuníamos para comentar quão gratificante havia sido aquela aventura, e de como cada um de nós havia sido corajoso por ter enfrentado a terrível Taruira. 


Anos mais tarde a infeliz foi hospitalizada, fora acometida por uma grave tuberculose e nunca mais se ouviu noticias da infeliz.          

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua visita foi muito importante. Faça um comentário que terei prazaer em responde-lo!

Abração

Dag Vulpi

Seja Bem-Vindo

Sobre o Blog

Este é um blog de ideias e notícias. Mas também de literatura, música, humor, boas histórias, bons personagens, boa comida e alguma memória. Este e um canal democrático e apartidário. Não se fundamenta em viés políticos, sejam direcionados para a Esquerda, Centro ou Direita.

Os conteúdos dos textos aqui publicados são de responsabilidade de seus autores, e nem sempre traduzem com fidelidade a forma como o autor do blog interpreta aquele tema.

Dag Vulpi

Paulo Freire

Paulo Freire
Para analisar

BLOG MIN

BLOG MIN
Porque todos temos uma opinião, seja construtiva, destrutiva, cientifica, acéfala, perversa, parva, demolidora ou simplesmente uma opinião...

Mensagem do Autor

Ocorreu um erro neste gadget

Seguir No Facebook