segunda-feira, 21 de março de 2016

Sociedade está radicalizada e carece de fórum de discussão, diz especialista



Na última semana, o país acompanhou de perto duas grandes mobilizações: no domingo passado (13), uma parcela significativa da população foi às ruas pedindo a renúncia ou o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, condenando a corrupção nas várias esferas governamentais e endossando o trabalho da operação Lava Jato e do juiz Sérgio Moro. Na sexta-feira (18), foi a vez daqueles que são contrários à retirada de Dilma do poder se manifestarem, marchando por democracia e garantia dos princípios constitucionais.

Para o filósofo e professor de Gestão de Políticas Públicas da Universidade de São Paulo (USP), Pablo Ortellado, a pauta dos protestos de domingo passado (13) é mais objetiva.

“Os dois grupos são muito plurais. As bandeiras das mobilizações eram mais diversas no ano passado, quando se discutia se eram a favor ou contra o impeachment. Agora há unanimidade em relação a isso. A mobilização de sexta (18) foi mais divergente. Há quem apoie o governo Dilma incondicionalmente, há quem apoie o governo, mas critique a política econômica, e há quem não apoie o governo, mas é contra a interrupção do mandato da presidente”, explica.

Ortellado enxerga pontos de afastamento entre os perfis de integrantes dois movimentos: “O processo de mobilização dos dois grupos é muito diferente. Enquanto os manifestantes que compõem o grupo pró-impeachment é, em sua maioria, de classe média ou alta e branco, o grupo contrário à remoção da presidente é mais diverso, analisando a escolaridade, renda e composição étnica. Mas percebemos que os dois grupos estão extremamente mobilizados”.

“A capacidade de mobilização dos que defendem o governo em São Paulo, onde um pedaço importante do jogo é jogado, foi surpreendente. Não foi um ato de grande envergadura, como foi o de domingo, mas não foi nem um pouco desprezível, principalmente em um momento de grande fragilidade do governo”, pontua Ortellado.

O professor diz que a sucessão de fatos políticos extremamente delicados – a delação do senador Delcídio do Amaral, a condução coercitiva do ex-presidente Lula e sua posterior nomeação como ministro-chefe da Casa Civil, culminando na divulgação das interceptações telefônicas feitas no âmbito da investigação da 24ª fase da Operação Lava Jato – agitaram os dois campos políticos.

“São mobilizações mais radicalizadas e acirradas. Houve um boom para os dois lados, gerando um antagonismo sem precedentes. É absolutamente imprevisível apontar o que vem agora, porque varia muito com a conjuntura.

Só tivemos mobilizações deste tamanho por conta da sequência de eventos, e isso faz parte do jogo político. Os atores estão usando-os com o objetivo de indignar e mobilizar o povo. Eles não estão sendo lançados ao acaso”, declara.

Para Ortellado, a sociedade carece de um “fórum de discussão”: “A sociedade está hiperpolitizada e discutindo política de uma maneira muito apaixonada. O jogo político está sendo muito jogado nos meios de comunicação, que não cumprem seu papel de darem o viés analítico. Não temos um fórum de discussão, e sim um grande campo de batalha”.

E a consequência disso é a necessidade de ter que tomar um lado: “Tem esse sentimento de uma parcela expressiva da população, de não se identificar com nenhum dos dois lados. Mas o antagonismo é tão acentuado e tão frequente que essas vozes estão sendo atraídas para um dos polos ou atacadas por um dos dois. E as posições ponderadas se dissolvem em um debate de vozes que estão falando muito alto”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita e participação no blog!

Dag Vulpi

Explicando as Pedaladas Fiscais - Atualize a página para voltar para o inicio do texto

Sobre o Blog

Este é um blog de ideias e notícias. Mas também de literatura, música, humor, boas histórias, bons personagens, boa comida e alguma memória. Este e um canal democrático e apartidário. Não se fundamenta em viés políticos, sejam direcionados para a Esquerda, Centro ou Direita.

Os conteúdos dos textos aqui publicados são de responsabilidade de seus autores, e nem sempre traduzem com fidelidade a forma como o autor do blog interpreta aquele tema.

Dag Vulpi

Paulo Freire

Paulo Freire
Para analisar

BLOG MIN

BLOG MIN
Porque todos temos uma opinião, seja construtiva, destrutiva, cientifica, acéfala, perversa, parva, demolidora ou simplesmente uma opinião...

Mensagem do Autor

Ocorreu um erro neste gadget

Seguir No Facebook