terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Fumando cigarro de palha, pescando de peneira e aprendendo a vida



Por Dag Vulpi

São muitas as estórias inusitadas que acontecem no entorno dessa "laranja". Eu mesmo conheço um bocado delas. Ouvi muitas, presenciei algumas, e essa que narrarei tive o “privilegio” de vive-la.
Pois bem, lá pelos idos anos 80 estive em Mutum – MG, e vivi um causo bastante singular. Estávamos lá de férias, eu e mais dois amigos, o Augusto (Gutim) que trabalhava na antiga CESAN, e o José Rubner (Zérrubi), este ultimo trabalhava comigo no já extinto Banco Nacional, e é natural daquela cidade.
Aproveitamos ao máximo nossa estadia na pacata e prazerosa Mutum daquela época. Foram muitas, e normais para a época nossas aventuras. Nossa solteirice e a tenra idade nos permitiam situações inimagináveis nos dias de hoje. Entre os passeios a cavalo, ver o trabalho dos destemidos domadores de burros bravos, assistirmos empolgados os alazões cobrindo as fogosas éguas, aprender a preparar os cigarros de palha, sim, fomos pegos de surpresa, naquela época ainda não eram comercializados cigarros em maços em Mutum, e para sustentar nosso vício precisamos aprender a lidar com aquela novidade. À noite era a vez das jogatinas de cartas, realizadas no único boteco da cidade da época. As mineirinhas sabendo que havia rapazes de fora na “cidade” caprichavam no visual e desfilavam na pracinha, nós ficávamos de olhos "espichados" fazendo a seleção, mas era difícil tirar uma “casquinha”, os rapazes, ao contrário das moças, não estavam muito satisfeito com a presença de rapazes da cidade grande.
Mas vamos ao que realmente interessa. Era um sábado e o Zérrubi sugeriu uma pescaria, eu topei de pronto e o Gutin também acabou considerando uma boa idéia. O Zé por ser de lá, conhecia bem o riacho, e a pessoa certa para nos acompanhar na aventura. Perto dali morava o senhor que iria nos orientar na pescaria, tratava-se do maior “figura” da região, sua graça era  Genésio.

Ele era baixote, da pele curada pelo sol,  como a maioria dos moradores de lá, mas tinha um diferencial, era um desses matutos de personalidade original, sem esforços, e com muita naturalidade não havia um único evento com sua participação que algo peculiar e digno de ser registrado não ocorresse. De saída já tínhamos uma certeza: nossa aventura renderia, talvez nem tantos peixes, mas estória pra contar, e estávamos certos, rendeu.    
Genésio foi logo dando as coordenadas, de fala pausada e quase inaudível ele foi logo dizendo que, por ser sábado, mandava a regra que a pescaria daquele dia deveria ser de peneira.  O Gutin e o Zérrubi aprovaram a idéia de pronto, eu tentei argumentar que uma pesca com anzóis seria mais emocionante, mas logo mudei de idéia, bastou o Genésio me inquirir: Cêjá pescoqui gumavez? Ele falou tão baixo e tão rápido que mudei de opinião no ato, e fui logo pegando uma peneira, e ele já sapecou outra: pégoutra quesseminha!  Não tive dúvidas, aquele era ‘o cara’.
Ficamos parados olhando para baixo (ele era baixo lembram?) quase ouvindo, e não entendendo nada de suas instruções murmuradas. Felizmente o Zé por também ser mineiro, entendia tudo que o mestre Genésio falava, e ia traduzindo para que eu e o Gutin não cometêssemos mais erros, eu então era o menos ousado, pensei até em inventar alguma desculpa para ficar do lado de fora, carregando o bornal com os pescados. Mas o senhor Genésio já havia pensado em tudo, e uma das suas regras era: “Quem sai para pescar tem que se molhar” (O Zérrubi traduziu a frase pra mim!).
Entramos todos os quatro no rio, a água estava gelada, Genésio olhou pra cima e nos fitando, deixou à mostra seus dentes, nunca me esqueci daquele sorriso, eram no máximo quatro dentes, distribuídos de forma irregular entre a parte superior e inferior, aqueles quatro nunca se encontrariam. Quase soltei uma gargalhada, mas felizmente segurei mordendo a língua, Gutim não teve a mesma “sorte” e disparou a risota. Genésio já sem o sorriso no rosto, e não entendendo o motivo da galhofa falou: Guafriané? É simmes Gunsmija gunsrri, Que segundo o nosso tradutor Zérrubi, o Genésio falou: Água fria né? É assim mesmo, Alguns mijam e alguns riem.
Depois dessa iniciamos a pescaria, Genésio sabiamente levava amarrado ao pescoço uma sacola plástica e em seu interior tinha um punhado de palha de milho previamente selecionadas e  cortadas, um isqueiro daqueles com pavio e um punhado de fumo de rolo desfiado, o matuto era prevenido, e sabia que caso molhasse o isqueiro e o fumo, ficaria privado de um dos seus maiores prazeres, o de fumar um belo picão de paia.
Seguíamos riacho abaixo com as águas até os joelhos, e a cada vez que levantávamos as peneiras aumentava a nossa decepção, nada de peixes. Num certo momento chegamos num ponto onde o rio avolumava-se, tanto na sua largura quanto na profundidade, e foi onde pegamos nossos dois primeiros pescados. Genésio falou algo indecifrável para dois capixabas como eu e o Gutim, mas o Zérrubi entendeu e traduziu para nós a seguinte: O Genésio sempre soube que só nesse ponto do rio é possível pegar peixe com peneiras, de lá onde entramos há meia hora até aqui, foi para praticarmos. Olhamos na direção dele que já estava fora do rio, preparando o quarto cigarro, era incrível, ele fumava o tempo todo, e mesmo dentro do rio com a água na altura do umbigo ele preparava seus cigarros de palha com a maior desenvoltura. Sinceramente fiquei um pouco chateado, em ter que sair d’água justo onde os peixes começaram a dar o ar graça, mas pensei melhor, e percebi que não havia maldade no ocorrido, afinal ele também penou rio abaixo, e com uma proporção do corpo bem maior que a nossa submersa na água.
Saímos d’água conforme as instruções do matuto, e logo na margem do rio havia um enorme pé de manga, com frutos maduros. Degustamos alguns, dividimos entre nós três um cigarro que o matuto havia gentilmente preparado e nos presenteado, e entre tossidos e risos “matamos” o cigarro e aguardamos as ordens para voltar à pescaria, que, aliás, era nosso objetivo maior, e até então só havíamos pescado dois peixes.
Finalmente ele deu a ordem e nós não hesitamos, pulamos na água e começamos a passar as peneiras, e os peixes vinham aos montes, em algumas oportunidades pegávamos até quatro de uma única vez. Nossa empolgação fez passar despercebido o fato de estarmos com água na altura dos ombros, e sendo o Genésio um quase anão, certamente ali não seria lugar pra ele. Tarde demais, o que vimos foi uma peneira boiando na correnteza do rio, e algo parecido com uma mão segurando algo sobre a superfície da água. Largamos as peneiras, felizmente os peixes estavam dentro do bornal preso ao meu corpo, senão seria perda total. O Zé alcançou a mão e puxou o restante do corpo já quase sem vida do matuto. Levamo-lo para a margem do rio, e entramos em desespero, pois parecia ter sido aquela a ultima aventura do ícone local. Como haveríamos de levar a noticia, afinal, todos da cidade tinham enorme afeição e consideração por ele. Posto de ponta a cabeça parecia que a água do rio estava toda dentro dele, tamanha era a quantidade de água que ele havia ingerido e agora escoava para fora de sua boca, em alguns momentos eu enxerguei até peixes escoando junto à água. Quando parou de sair água do seu bucho, nós o deitamos, de repente ele levantou a cabeça, balbuciou alguma coisa, abriu a tal mão que servira de referencia para que nós o localizássemos dentro d’água, e sorriu. Ali, na palma de sua mão estava o motivo de sua quase morte por afogamento, olhamos de perto e vimos o isqueiro, algumas lasquinhas de fumo e um corte de palha de espiga de milho, que seria o ultimo cigarro antes de voltarmos da pescaria. Ele contou, e o Zé interpretou para que pudéssemos entender que ele sabia nadar muito bem, era o melhor nadador da região, atravessava o rio doce, que é o maior do estado com uma única mão, na outra ele levava, quando não uma melancia, uma jaca, mas ele jamais largaria aquilo que mais te fazia feliz.
Ainda preocupados ficamos mais um tempo ali sentados, não demorou, ele calmamente pegou a palha de milho, jogou as lascas de fumo uma a uma lá dentro, enrolou pacientemente o cigarro, passou a língua de um lado para o outro, prendeu o cigarro entre os lábios, pegou o isqueiro e, antes de tentar acende-lo olhou para o alto, como se pedisse algo, e então passou as digitais do dedão sobre o isqueiro e a chama brotou do pavio, ele deu outro sorriu, olhou para nós três, acendeu o cigarro, e deu uma bela baforada, deliciando-se com a fumaça que saia de suas entranhas. Piscou um dos amarelados olhos e com a ajuda do nosso interprete em mineres falou. Se existir alguma coisa, qualquer coisa em suas vidas que os façam felizes, lutem para não perde-la, eu já tive muitas coisas nessa longa vida que trazia felicidade, e fui perdendo-as uma a uma sem dar-lhes o devido merecimento, e hoje como vocês perceberam eu quase dei minha vida para salvar não a palha de milho ou o fumo, pois esses são fáceis de conseguir, mas para não perder o único presente que o meu querido pai pode me dar, esse isqueiro, que pode parecer um  insignificante objeto para  muitos, mas que para mim é o único bem de real valor que ainda tenho nessa vida. 

2 comentários:

  1. Ao ler o texto, quando descreves a Mutum dos teus verdes tempos, remeto-me a minha infância, tudo que compunha a cidadezinha mineira, eu presenciei quando menino, porém na minha querida e pequeníssima Marilena, no extremo noroeste do Paraná. Aurora de vida foi aquela. Congratulo-me contigo em tuas reminiscências. Viva os tantos matutos Genésios, não só os das Minas Gerais, porém, os milhares deles, espalhados por este país de dimensão continental e que são parte da paisagem interiorana e a própria identidade das tantas pequenas cidades que compõem este país fantástico. Abraço, Mateus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bons e inesquecíveis foram aqueles tempos meu caro Mateus,e o meu relato, apesar de alguns não compreenderem, é verídico, triste é perceber que as Mutuns e as Marilenas de outrora já não existem mais, e até os matutos de hoje, já não são como os matutos de outrora.
      Congratulemos juntos nossas reminiscencias, fomos felizes e sabíamos eramos.

      Agradeço sua visita e comentário, e fico no aguardo de novas participações.

      Um fraterno abraço

      Excluir

Agradeço sua visita e participação no blog!

Dag Vulpi

Sobre o Blog

Este é um blog de ideias e notícias. Mas também de literatura, música, cinema, HQ, humor, viagens, boas histórias, bons personagens, boa comida e alguma memória. Este e um canal democrático e apartidário. Não se fundamenta em viés políticos, sejam direcionados para a Esquerda, Centro ou Direita.

Os conteúdos dos textos aqui publicados são de responsabilidade de seus autores, e nem sempre traduzem com fidelidade a forma como o autor do blog interpreta aquele tema.

Dag Vulpi

BLOG MIN

BLOG MIN
Porque todos temos uma opinião, seja construtiva, destrutiva, cientifica, acéfala, perversa, parva, demolidora ou simplesmente uma opinião...

Mensagem do Autor

Marcadores

11 de Setembro 12/12/2013 Acidente Aecio Neves Agricultura Alcoolismo Alimento ANALFABETO POLÍTICO ANVISA Apontamento de Antenas Aposentadoria Armas Químicas ARTIGO artrose Assuntos Gerais AUDITORIA Autismo Auxilio Reclusão avaliação cognitiva AZAMERICA Aécio Bacalhau BALANCE BALANCE CAPIXABA Banda Larga Barroso BBOM Bizarro Black Bloc Blog Dag Vulpi Bobbio BOLETIM DAG VULPI Bulling burocracia cachaça cancer Capitalismo Carlos Lamarca Charles Chandler China Chocolate CIDADANIA Cidade. ciencia Cirurgia de Hérnia de Hiato CIÊNCIA Clipping Cobra Comportamento COMPROTAMENTO Comunicação comunismo Conhecimento CONSTITUIÇÃO Contos COOPERATIVISMO COPA 2014 Copa do Mundo COPOM Coreia do Norte CORRUPÇÃO CPI DA PETROBRÁS CPI DO METRÔ CRACOLÂNDIA Crime Cibertnético criminalidade CRÔNICA Cuba CULTURA CURIOSIDADES curiosit Dag Debate no facebook decoder DECRETO PRESIDENCIAL Democracia Democracia Direta Demostenes DENGUE Dependentes Desemprego Desvios de verbas Diabetes DICAS Dicas & Direito Dicas interessantes DILMA Direito Direitos DIREITOS HUMANOS DITADURA Ditos populares DOCUMENTO DITADURA DRGE Drogas ECONOMIA ECONOMIA INTERNACIONAL EDIR MACEDO Eduardo Campos Educação Eleições ELEIÇÕES 2014 Energia Nuclear Escola Esfiha esofagite de refluxo ESPORTE Esteatose Hepática Esteroides Anabolizantes Esôfago de Barrett Facebook Família Vulpi Feliciano FGTS FHC FLAMENGO Fonte de pesquisa Fundap Futebol Fábula Geral Gilbereto faria Lima GILDEVAN GILMAR MENDES Gorgonzola Gripen Guantánamo Guerra hiato História Homossexualidade hérnia de hiato IMPEACHMENT Imprensa Inflação INSS INTERNACIONAL INVESTIMENTO Irã Joaquim Barbosa Joaquim Barbosa. Mensalão José Serra Juros JUSTIÇA kit carona Laicidade Lampião Leasing Lei Lei Antidrogas Lei da Anistia Lei da Ficha Limpa Lei Seca Lelo Lewandowski LIVRO Lixo nuclear Lula Machado de Assis Maconha Mais Médicos Mal de Parkinson Malafaia Manifestos Populares Maracanã Maranata Marcos Rebello Marina Marina Silva Marketing Multinível Medicamentos MEDICINA MEIO AMBIENTE MENSALÃO MENSALÃO DO PSDB mercado MG Moral Movimento Social Mujica Mulher Nua Mídia Nacional NATUREZA Nazismo NIÓBIO NOTICIA DAG VULPI OAB Operação Porto Seguro OPINIÃO OPOSIÇÃO orgasmo OS QUATRO TEMPERAMENTOS padre José Eduardo Augusti Papa Pastor PEC 37 Pedofilia Pensamento Pesquisa e Inovação Petrobras Petróleo Pitbull Planos de Saúde Planos econômicos PMDB POESIA POLITICA POLITICA CAPIXABA POLITICA INTERNACIONAL POLÍTICA POLÍTICA e GOVERNO POLÍTICA NACIONAL Portugal Preconceito PREFEITOS Presidios Brasileiros propinoduto PROTESTOS Pré-História. Ciência PSB PSDB PSICOLOGIA PT. Racismo Reacionarios RECEITAS RECOVERY Rede Globo REFLUXO Refluxo Gastroesofágico Reforma Política RELIGIÃO Risco ambiental ROBERTO CARLOS Roberto Jefferson Romário Rosbife Royalties Rubens Alves RUI MARTINS réptil pré-histórico S922 HD Salmão SAÚDE SEGURANÇA SEGURANÇA NACIONAL SEU DIREITO Sexo SOCIAL socialismo socie SOCIEDADE SORRIA CONSULTORIO STF SUS Tatuagens TECNOLOGIA Telexfree TEMPERAMENTO Tempestade Teocracia TOC TPAS TPs Trabalho TRAGÉDIA Transform man Transporte UFC Uruguai Usinas Nucleares VARIEDADES VEREADORES Viana Vila Velha Vinho Violencia Vladimir Herzog VOTO FACULTATIVO vídeo ditadura zico Zé Dirceu Álimentos Ética

ALIMENTE OS PEIXINHOS, CLIQUE COM O MOUSE!